Padre Aldo Marchesini - médico e missionário em Moçambique - site oficial
italiano
english
portuguese
Aldo Marchesini nasceu em Bolonha em 10-9-1941
Ele se formou brilhantemente no Liceo Scientifico Augusto Righi em Bolonha.
Ingressou no noviciado da Congregação dos Sacerdotes do Sagrado Coração (Dehoniani) em 1961. Foi ordenado sacerdote em 27 de dezembro de 1969.
Entretanto licenciou-se em Medicina em 1966, na Universidade de Bolonha, com 110 cum laude.

Vamos ler diretamente de um de seus escritos sua história africana:
Chegou à África pela primeira vez em 29 de julho de 1970. Desembarcou em Blantyre no Malawi e entrou em Moçambique por terra a partir da fronteira de Milange. Fiquei 4 meses para tentar entender o mundo de Moçambique em termos de saúde. Percorri todas as missões para escolher o local para construir o futuro hospital missionário da diocese de Quelimane. Mugulama foi escolhida na estrada entre Mocuba e Aldo Molócuè.

No final de Outubro de 1970 parti para o Uganda para ir ter com o padre Giuseppe Ambrosoli, cirurgião comboniano, que havia fundado e dirigido durante 17 anos o hospital Kalongo na savana. No meu trigésimo aniversário, 10 de setembro de 1971, adoeci com uma violenta hepatite B. Tive que interromper e depois de dois meses de cama voltei à Itália para me recuperar.

Fiquei alguns meses convalescendo. No verão fui praticar em Niguarda e me inspirei para escrever 'Memórias do Hospital'.
Em Setembro de 1972 fui para Lisboa estudar Português e Medicina Tropical na Universidade de Lisboa. Fiquei exatamente um ano. No meu regresso não me deram visto para Moçambique. O bispo de Lira, Uganda, descobriu e me escreveu pedindo que eu esperasse um visto enquanto trabalhava em seu hospital em Aber. Cheguei lá em 5 de dezembro de 1973 e fiquei até o final de julho de 1974, quando o visto chegou após a revolução dos cravos em Lisboa.
Antes de partir para Moçambique fui a Adis Abeba fazer um curso de clínica de lepra no centro ALERT, a 8 km da capital. Regressei por volta de 15 de Novembro de 1974 e a 20 de Novembro parti para Moçambique, chegando via Lisboa, no aeroporto da Beira a 21 de Novembro de 1974. "
Assim já entrou nos seus 50 anos, 1 meses, 9 dias de Moçambique e cerca de 53 de África!

"No início de dezembro de 1974, diante da impossibilidade de abrir um hospital de missão, assinei meu primeiro contrato como cirurgião com o governo de transição.
Fui colocado temporariamente em Quelimane, para permitir que os dois médicos portugueses passassem as férias em Portugal e se preparassem para o regresso definitivo à sua terra natal. A 30 de Janeiro de 1975, fui transferido para Mocuba como único médico nos dois distritos de Mocuba e Lugela. Fiquei até Julho de 1976, transferido para Songo-Cahora Bassa. No entanto, fiquei parado na cidade de Tete porque não havia cirurgião na província.
Veio uma equipa chinesa e fui para o Songo no início de Novembro de 1976. A 29 de Julho de 1980 regressei a Itália para um período de descanso e actualização.

Em Maio de 1981 regressei a Moçambique e permaneci na Ortopedia de Maputo até 20 de Agosto de 1981. Fui colocado em Quelimane, onde permaneci todos estes anos (50)

Aldo é não só Director Clínico e Tutor da Especialização em Cirurgia Geral do Hospital de Quelimane, mas também Coordenador Provincial de Cirurgia da Zambézia e das várias estruturas de saúde que estão a abrir naquela região.
Médicos de vários países do mundo o apoiam voluntariamente por curtos períodos em seu trabalho árduo.

Perguntei ao Aldo se ele mantinha uma estatística das cirurgias realizadas em todos esses anos de atividade cirúrgica na África.
Esta é a resposta dele:

Eu nunca contei, mas acho que você pode calcular uma média de 10 negócios por semana, durante 40 semanas por ano. Na prática 400 operações por ano, mas com anos em que superei em muito..

Pense em 20000 Intervenções e em que condições! É de empalidecer qualquer cirurgião do primeiro mundo!